BIBLIOGRAFIA ATUALIZADA - 2021

Morte nas instituições de saúde e educação; Profissionais de saúde e educação: (Programa de pós graduação em psicologia escolar e desenvolvimento)

Docente: Maria Júlia Kovács

BIBLIOGRAFIA

LIVROS BÁSICOS

KOVÁCS, M.J.(1992)- Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2008). Org. Morte e existência humana. Caminho de cuidados e possibilidades de intervenção. Rio de Janeiro, Guanabara, Koogan. Capítulos: 1) Viver e conviver com Aids (Ana Maria Baricca); 2. Adolescentes, vidas interrompidas (Cláudia Fernanda Rodriguez); 3. O lugar da mãe no tratamento do câncer (Marta Cristina M. Ortiz); 4. A morte simbólica na menopausa (Silvana Parisi); 5. Envelhecimento, temporalidade e morte nos relatos de idosos (Carla Silva Santana) 6. Ciclo da existência: envelhecimento, desenvolvimento humano e auto-conhecimento (Maria Julia Kovács e Nancy Vaiciunas): 7. Impacto do suicídio. Ataque ao ser (Ana Beatriz Brandão dos Santos); 8. Morte em vida: mutilações e o processo de luto pela identidade perdida (Elaine Reis Alves); 9.  De quem é a vida afinal? Cuidando dos cuidadores (Ingrid Esslinger); 10. Ecologia mental da morte: um novo olhar, uma nova escuta para a Psicologia da Morte. (Marisa Moura Verdade) 11. Educação para a Morte: Desafio na formação de profissionais de saúde e educação (Maria Julia Kovács)

KOVÁCS MJ. (2021). Educação para a morte. Quebrando paradigmas. Porto Alegre, Sinopsys

LABORATÓRIO DE ESTUDOS SOBRE A MORTE.. www.lemipusp.com.br

 

      

ATITUDES FRENTE À MORTE. OCIDENTE E ORIENTE

ARIES, P. (1977) – História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

BECKER, E. (1976) - A negação da morte.  Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

CESAR, B. (2001) - Morrer não se improvisa. São Paulo, Gaia.

EWANS WENTZ, W.Y. (Org.) (1960) - Bardo Thodol. O livro tibetano dos mortos. São Paulo, Pensamento

FEIFEL, H. (1977) - Death and dying in modern America. Death Education 1:  5-14.

FULTON, R. & OWEN, G. (1987/1988) -  Death and society in the twentieth century in America. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 379-395.

GIDDENS, A. (1990) - The consequences of modernity.  Cambridge, Polty Press.

GURGEL, A. (2008). Direitos sociais dos moribundo. Controle social e expropriação da morte. São Luís, Editora da Universidade Federal do Maranhão.

OLIVEIRA, M.F.;CALLIA, M.H.P.(2005). Reflexões sobre a morte no Brasil. São Paulo, Edit Paulus

PARKES, C.M.; LAUNGANI, P.& YOUNG BILL (Eds.) (1997) - Death and bereavement across the cultures.  London,  Routledge.

RINPOCHE S. (1999) - O livro tibetano do viver e morrer. São Paulo, Editora Talento e Palas Athena.

 

BIOÉTICA MORTE COM DIGNIDADE.

Bioética - Revista publicada pelo Conselho Federal de Medicina

Burlá, C. (2015). A aplicação das diretivas antecipadas de vontade na pessoa com demência. (Tese de Doutorado). Faculdade de Medicina. Universidade do Porto.

CAVALCANTE F. G., MINAYO M. C. S. Estudo qualitativo sobre tentativas e ideações suicidas com 60 pessoas idosas brasileiras. Ciência e Saúde Coletiva, v.20, 2015, p.1655-1666.

CHOCHINOV, H.M.; WILSON, K.G.; ENNS, M.; MOWCHUN, N.;  LANDER, S.& LEVITT, M. (1995) - Desire for death in the terminally ill. American Journal of Psychiatry, 152:  1185-1191.

CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE “LIFE SUSTAINING TREATMENTS AND VEGETATIVE STATE: SCIENTIFIC ADVANCES AND ETHICAL DILEMMAS – promovido pela Federação Internacional de Médicos Católicos e Pontifícia Academia para Vida (Roma 10-17 de março de 2004). Bioética – Cuidar e Saúde. Mundo da Saúdea, 28 (v.3): 340-346.

Conselho Federal de Medicina Resolução 1995/2012. Recuperado de http:// www.portalmedico.org.br/resoluções CFM 2012/1995, 2012  

Conselho Federal de Medicina. Resolução 1805/2006. Recuperado de HTTP://www. portal médico.org.br. resoluções cfm/2007/111 2007.htm.

Dadalto L.; Tupinambaí, U.; Greco D.B.(2013). Diretivas Antecipadas de Vontade: Um modelo brasileiro. Revista Bioética CFM., 21(3), 463-476.

DADALTO L; SÁ MFF (2018) Orgs.  Direito e Medicina. A morte digna nos tribunais. Indaiatuba SP, Editora Foco.

DODGE, R.F. (1999) - Eutanásia, aspectos jurídicos. Bioética, 7,  no. 1: 113-120.

Emanuel L.; Sandrett K.G. (2010). Decisions at the end of life. BMC Medicine, 57,18-39.

ESPERANDIO, MRG; KOVÁCS, MJ. (2017). Bioética e Psicologia. Inter-relações. Curitiba, CRV.

FABBRO, L. (1999) -  Limitações jurídicas à autonomia do paciente. Bioética, 7,  no. 1: 7-12.

Floriani C. (2013). Moderno movimento hospice: Kalotanasia e o revivalismo estético da boa morte. Revista Bioética CFM, 21(3), 397-404

FRANÇA, G.V. (1999) - Eutanásia: enfoque ético-político. Bioética, 7,  no. 1: 71-82

Gawande, A. (2015). Mortais. Rio de Janeiro: Objetiva.

HORTA, M.P. (1999) - Eutanásia- problemas éticos da morte e do morrer. Bioética, 7,  no. 1: 27-34.

HUMPHRY, D. (1991) - Final Exit: The practicalities of self deliverance and assisted suicide.  Oregon, The Hemlock Society.

KASTENBAUM, R. (1999-2000) - Looking death in the eye. Another challenge from doctor Kervokian. Omega, Journal of Death and Dying, 40 (1): 279-286.

KOVÁCS, M.J. (1998)  - Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Bioética, 6 (1): 61-70.

KOVÁCS, M.J. (2003).- Bioética nas questões de vida e morte. Boletim de Psicologia, 14 (2): 95-167.

KOVÁCS, MJ; ESSLINGER, I. (Org.) Dilemas éticos. São Paulo, Loyola, 2008.

KOVÁCS, M.J. (2012). (Coordenadora científica). Reflexões sobre a morte: Dilemas éticos. Mundo da Saúde, 36, v.36(1). Jan. Mar 2012. Centro Universitário São Camilo.

KOVÁCS MJ. Pesquisa com pacientes gravemente enfermos: autonomia, riscos, benefícios e dignidade. Revista Bioética, 2009, 17(2): 309-318.

      Kovács, M.J. (2014). A caminho da morte com dignidade no Século XXI. Revista Bioética (Impresso), 22: 94-104.

KOVÁCS, MJ. (2017). Psicologia e Bioética: cuidado a pacientes gravemente enfermos. In: ESPERANDIO, MRG; KOVÁCS, MJ. Bioética e Psicologia. Inter-relações. Curitiba, CRV- 73-84.

KOVACS MJ, GODINHO AM (2018). Morte digna na Colômbia. Analise da Setenncia T-970/14. In DADALTO L; SÁ MFF (2018) Orgs.  Direito e Medicina. A morte digna nos tribunais. Indaiatuba SP, Editora Foco, 75-92.

LAMB, D. (2001) - Ética, morte e morte encefálica. São Paulo, Office Editora.

LÉPARGNEUR, H. (1987) - O doente, a doença e a morte. Campinas, Papirus.

LÉPARGNEUR, H. (1999) - Bioética da eutanásia - Argumentos éticos em torno da eutanásia. Bioética, 7,  (1): 41-48.

MARKSON, E. (1995) - To be or not to be: assisted suicide revisited. Omega, Journal of Death and Dying, 31 (3):  221-235.

MARTIN, L. (1993) - A ética médica diante do paciente terminal. Leitura ético-teológica da relação médico-paciente terminal nos códigos brasileiros de ética médica. São Paulo, Editora Santuário.

MISHARA, B.L. (1999) - Synthesis of research and evidence on factor affecting the desire of terminally ill or seriously  chronically ill persons to hasten death. . Omega, Journal of Death and Dying, 39 (1):  1-70.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

NUCCI N; KOVÁCS MJ  FUKUMITSU KO (2018) Orgs – Encontros Inesquecíveis. Relatos de cuidado e ética. Campinas SP –  Alínea. ISBN 978-85-7516841-7

 

PESSINI, L. (1997) - Distanásia. Até quando investir, sem agredir? In: CAMON, V.A. (Org.) A ética na saúde. São Paulo, Pioneira.

PESSINI, L. (1999) - Eutanásia e as religiões (judaísmo, cristianismo, budismo, islamismo). Bioética, 7, (1): 83-100.

PESSINI, L. (2001) - Distanásia. Até quando prolongar a vida? São Paulo, Editora do Centro Universitário São Camilo/Loyola.

Pessini, L. Fundamentos da bioética. São Paulo, Paulus, 1996.

RAMOS, A.C.  (2003)  Eutanásia: aspectos éticos e jurídicos. Florianópolis, OAB/SC

SEGRE, M. &COHEN, C. (Org.) (1995) - Bioética. São Paulo, Edusp.

SEGRE, M. (1986). Eutanásia: aspectos médicos-legais. Revista da Associação Médica Brasileira, 32 (77/78):  141-142.

SEGRE, M. (1999) - Atualidades. Bioética, 7, (1): 145.

 

CUIDADOS PALIATIVOS

Academia Nacional de Cuidados Paliativos www.ancp.org.br

CAPONERO, R. & BIFULCO V.A. (2016). Cuidados Paliativos - Conversas sobre a vida e a morte na saúde São Paulo - Editora Manole.

CAPONERO, R. & BIFULCO, VA (2018). Cuidados paliativos: um olhar sobre as práticas e necessidades atuais.  Barueri SP, Manole.

BERTANCHINI, L.; PESSINI, L. (Org.) (2011). Encanto e responsabilidade no cuidado da vida. São Paulo, São Camilo, Paulinas.

CORADAZZI, A.L. (2016). No final do corredor. São Paulo: Manole.

Chochinov H.M. (2006). Dying, dignity and new horizons in palliative end of life care. CA Cancer, Journal Clin. 56, 84-103.

Ferreira S.P. (2008) Sedação paliativa. In: Oliveira RA (Coordenador Institucional). Cuidado Paliativo. São Paulo: Cremesp, 355-361.

Forte, D.N.; Achette, D. (2018). Cuidados paliativos no século XXI. In: Fukumitsu, K.O. (Org.). Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo: Summus, 141-154.

Kovács, M.J. (2014). A caminho da morte com dignidade no Século XXI. Revista Bioética (Impresso), 22: 94-104.

KOVÁCS MJ (2018). Morte com dignidade. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p 29-48.

OLIVEIRA, R.A. (Org.) (2008) Cuidado Paliativo. Grupo de trabalho multidisciplinar – Cremesp. São Paulo

 

DOR

CARVALHO, M.M.J. (Org.) – (1999) – Dor: Um estudo multidisciplinar.  São Paulo, Summus.

 

EDUCAÇÃO PARA A MORTE

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Temas e reflexões. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Kovács MJ (2021). Educação para a morte. Quebrando paradigmas. Porto Alegre: Sinopsys

RIGO, K.F. (2016) Vamos começar pelo fim? São Paulo: Editora Chiado

 

EMERGÊNCIAS E DESASTRES

ALVES, E.G.R (2016). Considerações psicossociais sobre Deformidade Pessoal. A pessoa, a família e os profissionais de saúde. Jundiaí SP, Paco Editorial.

ALVES EGR (2018). Da psicologia dos desastres à psicologia da gestão integral de riscos e desastres. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p 166-181.

Centro de Estudos e Pesquisas em Emergências e Desastres CEPED. www.usp.br/ceped

FRANCO, M.H.P. (Org.) (2015) A intervenção psicológica em emergências. Fundamentos para uma prática. São Paulo: Summus Editorial.

 

ENVELHECIMENTO

BEAUVOIR, S. - A velhice.  São Paulo, Martins Fontes.

BIANCHI, H. (1993) - O eu e o tempo. Psicanálise do tempo e do envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo.

GOLDFARB, D.C. (1998) – Corpo, tempo e envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS MJ. Doença e morte no imaginário do homem velho. A terceira idade, 2009, Vol 20 (46): 62-73.

KOVÁCS, M.J. Angústia de morte e envelhecimento. (2017) In: Perez, G.H. Ismael, S.C. Elias, V.A. E Moretto, M.L.T. (Orgs.) Tempo da vida e a vida do nosso tempo. Repercussões na psicologia hospitalar. São Paulo, Atheneu,

KOVÁCS, M.J. (2017).  A questão da morte nas instituições de longa permanência para idosos: do interdito à comunicação. In: Cabral, B.E.B; Barreto, C.L,B,T; Kovács, M.J.; Schmidt, M.L.S. (Orgs.) Práticas psicológica em instituições. Clínica, saúde e educação. Curitiba, CRV.

ESPIRITUALIDADE

PESSINI, L. & BARCHIFONTAINE, C.P. (2008). Buscar sentido e plenitude de vida. Bioética, saúde e espiritualidade. São Paulo, Paulinas, São Camilo.

PESSINI, L. (2010). Espiritualidade e arte de cuidar.: O sentido da fé para a saúde. São Paulo, São Camilo, Paulinas.

FREITAS, H.F. AQUINO, T.A.A. PAIVA, J.G. (ORGS) (2016) Morte, psicologia e religião. São Paulo, Fonte Editorial.

 

LUTO, LUTO ANTECIPATÓRIO, LUTO NÃO RECONHECIDO

ABERASTURY, A. (1984). A percepção da morte na criança e outros escritos. Porto Alegre, Artes Médicas.

ABERASTURY, A. e KNOBEL, M (1973). - La adolescencia normal. B.A., Edit. Paidós,

ARIES, P. (1977) - A história da morte no Ocidente. R.J., Francisco Alves.

BLACK, D. (1998) - Bereavement in childhood. In PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds.) -  Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 28-35.

BOSS, P. (1991) -  Ambiguous loss. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family.  Nova York, W. Norton & Co, p. 164-175.

BOWEN, M. (1991) - Family reaction to death. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family.  Nova York, W. Norton & Co, p. 79-93

BOWLBY, J (1985) -Apego, perda e separação. S.P., Martins Fontes.

Braz, M. S.; Franco, M. H. P. (2017). Profissionais paliativistas e suas contribuições na prevenção de luto complicado. Psicologia: Ciência e Profissão, 37(1), 90-105.

BROMBERG, M.H.P.F. (1995) - A psicoterapia em situações de perdas e luto. Campinas, Editorial Psy.

Brun, D.  A criança dada por morta: riscos psíquicos da cura. São Paulo, Casa do Psicólogo, 1996.

CARUSO, I. (1982) - A separação dos amantes. S.P., Diadorim Cortez.

CARVALHO, V. A. (1996/2011) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CASELLATO, G. (org.) (2005). Dor silenciosa ou dor silenciada? Perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade. Campinas, Livro Pleno.

CASELLATO G. (Org.) (2015). O resgate da empatia. Suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus Editorial.

CASELLATO G (2018). Luto não autorizado. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p. 207-215.

Casellato G (Org.) (2020). Luto por perdas não legitimadas na atualidade. São Paulo: Summus Editorial. 9-14. ISBN 978-65-5549—007-7.

CORR, C. A. (1998/1999) - Enhancing the concept of disenfranchised grief. Omega, Journal of Death and Dying, 38 (1):  1-20.

DOKA, K. (1989) - Disenfranchised grief - recognizing hidden sorrow. Nova York, Lexington Books.

FAGIN, L. (1998) - Occupational loss. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds) -  Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 70-80.

FONSECA, J.P. (2004).Luto antecipatório. Campinas, Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (2002). Estudos avançados sobre o luto. Campinas, Editorial Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (Org.) (2005). Nada sobre mim sem mim. Campinas, Edit. Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (Org.) 2010. Formação e rompimento de vínculos. São Paulo, Summus.

Franco, M.H.P. (2014). Luto antecipatório em cuidados paliativos. In Franco, M.H.P.; Polido, K. (Orgs.). Atendimento psicoterapêutico no luto.  São Paulo: Zagodoni, 27-35.

FRANCO, MHP. Pesquisas e práticas sobre luto no exterior e no Brasil. In: In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p193 -206

Fukumitsu, K.O. (2018). Suicídio, luto e posvenção. In: Fukumitsu, K.O. (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo: Summus, 216-231.

FREUD, S (1974) -  Luto e melancolia. (1917(1915)). In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. R.J., Imago, Vol 14.

Fujisaka, A.P. (2014). O familiar do cuidador e o processo de fim de vida e de morte de seu ente querido: Uma compreensão fenomenológica. Tese de Doutorado, Não-Publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano. Universidade de São Paulo, São Paulo.

FUKUMITSU,K.O. Uma visão fenomenológica do luto: um estudo sobre as perdas no desenvolvimento humano. Campinas: Editora Livro Pleno, 2004

FUKUMITSU KO (2018) (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus.

Goldman, L. Breaking the silence. A guide to help children with complicated grief – Suicide-homicide-Aids-Violence and Abuse. Taylor e Francis. 1996.

IMBER-BLACK, E. (1991) - Rituals and the healing process. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family.  Nova York, W. Norton & Co, p. 207-223.

Imber-Black, E. Os segredos na Família e na terapia familiar. Porto Alegre. Artes Médicas, 1994, CAP. 7: Morte: o mais perturbador segredo familiar (de Lorraine Wright e Jane Nagy).

KASTENBAUM, R. (1969) - Death and bereavement in later life. In: KUTCHER A.H. (Ed.). Death and bereavement. New York, Springfield: 28-54.

Klass, D.:  Silverman, P.; Steven, N.; Continuing Bonds – New Understandings of Grief, Taylos e Francis, 1996.

KLEIN, M -  O luto e a sua relação com os estados maníaco depressivos. In: KLEIN, M. (1981) - Contribuiçðes à psicanálise. S.P., Mestre Jou.

KOVÁCS, M..J. (1992) – Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2007). Perdas e o processo de luto. INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius, pp: 217-238.

MAGUIRE, P. & PARKES, C.M. (1998). Surgery and loss of body parts. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds.) -  Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 47-56

MAZZORRA, L. & TINOCO, V. (org). (2005). Luto na infância. Intervenções psicológicas em diferentes contextos. Campinas, Edit Livro Pleno.

Mazorra L. (2009). A construção de significados atribuídos à morte de um ente querido      e o processo de luto. Tese Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

Mattos EBT, Kovács MJ (2020). Doença de Alzheimer: a experiência única de cuidadores familiares. Psicologia USP, 2020, volume 31, e180023 1-11.  http://dx.doi.org/10.1590/0103-6564e180023

MÉTRAUX- J.C. (2004/2011). Lutos coletivos e criação social. Curitiba, Editora UFPR.

PARISI, S. (2012). Amor & Separação: Reencontro com a alma feminina. São Paulo: Vetor.

PARKES, C.M. (1987/1988) - Research: Bereavement. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 365-377.

PARKES, C.M. & MARKUS, A. (1998) -  Coping with loss. Londres, BMJ Books.

PARKES, C.M. (1986) – Bereavement studies of grief  in adult life.  Londres, Penguin Books.

PARKES, C.M.; LAUNGANI,P. & YOUNG, B. (1997) - Death and bereavement across cultures. Londres, Routledge.

PARKES, C.M. (1998). Luto. Estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo, Summus.

PARKES, C.M. (2009). Amor e perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo, Summus.

PAULA, B. de (2011). Pedaços de nós: luto, aconselhamento pastoral e esperança. São Paulo: ASTE: Editeo. Editora da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista.

PINCUS, L. (1989) – A família e a morte. Rio de Janeiro. Paz e Terra.

PITT, B. (1998) - Loss in later life. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds) -  Coping with loss. Londres, BMJ Books, p 90-98.

RAIMBAULT, G. (1979) -  A criança e a morte. R.J., Francisco Alves.

RANDO, T. (1984) - Grief, dying and death. Clinical interventions. Champaign, Illinois, Research Press.

RANDO, T. ( 1992/1993) - The increase prevalence of complicated mourning. The onslaught is just beginning. Omega, Journal of Death and Dying, 28 (11): 43-59.

RANDO T. (1993) - Treatment of complicated mourning. Champaign, Illinois, Research Press.

Rando, T.A.; Doka, K.J. Fleming, S.; Franco, M.H.P. Lobb, E.A. Parkes, C.M. (2012). A call to the field: complicated grief in the DSM-5. Omega (Westport), 65(4): 251-255.

RANGEL, A. P.F. (2008). Amor infinito. História de pais que perderam seus filhos. São Paulo, Vetor.

ROLLAND, J. (1991) - Helping families with anticipatory loss. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family.  Nova York, W. Norton & Co, p. 144-163.

SCHACHTER, S. (1992/1993). Adolescents experiencies with death of a peer. Omega, Journal of Death and Dying, 24(1), pp:1-11.

Scoz, M.C.P. (2012). Orfandade adulta: Vivencias de luto antecipatório junto a genitor com câncer em progressão. Tese de Doutorado, Não-Publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano. Universidade de São Paulo, São Paulo.

Stroebe, H., Stroebe, M. (2010). The dual process model of coping with bereavement: rationale and description. Published Online, Pages 197-224.

Stroebe, M.; Schut, H. (1999). The dual process model of coping with bereavement: rationale and description. Death studies, 23(3): 197-224.

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family.  Nova York, W. Norton & Co.

WEEKS, D. & JOHNSON, C. (1992) - A second decade of high school death education. . Death Studies, 16: 269-279.

WORDEN, J.W. (1998) - Terapia do luto. Porto Alegre, Artes Médicas.

WRIGHT, L. & NAGY, J. (1994) - Morte: o mais perturbador segredo familiar. In: IMBER-BLACK, E. - Segredos na família e terapia familiar. Porto Alegre, Artes Médicas, p. 128-146.

 

MORTE E CINEMA

BOTTINI, M.E.  2015. - No cinema e na vida: a difícil arte de aprender a morrer. Imprensa livre - Porto Alegre.

MORTE E DESENVOLVIMENTO HUMANO

AMORIM, L.C.D. (2011). Autismo e morte. Rio de Janeiro, Rubio.

           

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M.J. (1998) – Adolescência: vida ou morte. São Paulo, Editora Ática.

JUNG, C.G. (1960) - The soul and death. Collected works (Vol. 8), Londres, Routledge and Keagan Paul

KOVÁCS, M.J.- A criança e a morte. In: ASSUMPÇÃO, F.B.; KUCZYINSKI,E. (2003). Tratado de Psiquiatria da infância e da adolescência.  São Paulo, Edit. Atheneu: 591-598

TORRES, W. (1999) – A criança diante da morte. São Paulo, Casa do Psicólogo.

 

MORTE NA ESCOLA- EDUCADORES

KOVACS, M.J. (2010). A morte no contexto escolar: Desafio na formação de educadores. In: FRANCO, M.H.P. (Org.). Formação e rompimento de vínculos: Dilema das perdas na atualidade. Pp. 145-168.

Kovács, M.J. (2012). Educadores e a morte. Psicologia Escolar e Educacional (Impresso), 16, 71-81.

 

MORTE E LITERATURA

AJAR, E. (Romain Gary) A vida pela frente.  

Albom, Mitch. A última grande lição. O sentido da vida. RJ. Sextante, 1998.

ALLENDE, I. O amante japonês.

ALLENDE, I. (2007). Paula. São Paulo, Best Bolso

BAUBY, J.D. (1997). O escafandro e a borboleta. São Paulo, Martins Fontes.

BEAUVOIR, S. (1965). Uma morte muito suave. Editora Nova Fronteira

Beattie, M. Lição de amor – Um testemunho comovente sobre a superação da dor e a reconquista da felicidade. São Paulo, Ed. Best Seller, 1994.

FERREIRA, E.A. (2010). Minha mãe se matou sem dizer adeus. São Paulo: Record.

GAWANDE, A. (2015). Mortais. Rio de Janeiro: Objetiva

GENOVA, L. Para sempre Alice. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2007. (Relato de uma pessoa com doença de Alzheimer)

GRANJA, A – Sem ti Inês.. Algragide, Portugal – 2010.

KEIZER, B. (2008). Dançando com a morte. São Paulo, Globo.

Kübler Ross, E. (2002).  A roda da vida. Rio de Janeiro: Sextante.

LESSING, D. Diário de uma boa vizinha (sobre envelhecimento, solidão e cuidado de vizinhos.

Luft. L. Exílio, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

______. O quarto fechado, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

______ O lado fatal, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.                                                                 

CUNNINGHAM, M. As horas.

MÃE. W.H. Máquina de fazer espanhóis. Cosac Naify.

MIGUÉS, J.R. (1959). Um homem sorri à morte – com meia cara. Lisboa, Editorial Stampa.

SARAMAGO, J. Intermitências da morte.

SERVAN-SCHREIBER, D. (2011). Podemos dizer adeus mais de uma vez. Rio de Janeiro: Objetiva.

Tolstoi L. (1886/1998) A morte de Ivan Ilitch. São Paulo: Publifolha

VARELLA, D. (2004).  Por um fio.

VARELLA, D. (2007). O médico doente. São Paulo, Companhia das Letras.

VILA-MATAS – H. Suicídios exemplares.

WILBER, K. (2007). Graça e coragem. Espiritualidade e cura na vida e morte de Treya Killam Wilber. São Paulo, Gaia.

 

MORTE E HOSPITAL

CAMON, V.A.A. (1984) - Psicologia hospitalar. Atuação do psicólogo no contexto hospitalar. São Paulo, Traço.

CAMON, V.A. (Org.) (1992) - O doente, a psicologia e o hospital. São Paulo, Pioneira.

CAMON, V. A. (Org. ) (2000) - Psicologia. Um novo significado para a prática clínica. São Paulo, Pioneira.

ESSLINGER, I. (2004). De quem é a vida afinal? Descortinando os cenários da morte no hospital. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Kamers, M. Marcon, H.H. Moretto (0rgs.) (2016). Desafios atuais das práticas em hospitais e nas instituições de Saúde. São Paulo, Escuta.

Lago, K,; Codo, W. (2010). Fadiga por compaixão: o sofrimento dos profissionais em saúde. Petrópolis  RJ: Vozes.

 

QUINTAS, J. (2013) Nos corredores de um hospital. A experiencia de ser psicóloga numa instituição pública de saúde. Recife. Edições Bagaço.

MERCER, V. (Org.) (2009). Travesseiro de pedra. Editora UFPR.

MERCER, V.;  WANDERBROOCKE, AC. (Orgs). Hospital, saúde e subjetividade. São Paulo: Casa do Psicólogo

MONTEIRO, MAYLA C. (2017). A morte e o morrer em UTI. Familia e equipe médica em cena. Curitiba: Appris.

Oliveira, MF. E Ismael, S. (orgs) Rumos da Psicologia hospitalar em cardiologia. São Paulo, Papirus, 1995.

Pitta, A. Hopital, dor e morte como ofício. São Paulo, Hucitec, 1990.

 

MOVIMENTO HOSPICE. CUIDADOS PALIATIVOS MORTE COM DIGNIDADE

ARIÈS, P. (1977) – A história da morte no ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

Callanan, M. e Kelley, P.  Gestos finais – Como compreender as mensagens, as necessidades e a condição especial das pessoas que estão morrendo. São Paulo, Nobel, 1994.

CARVALHO, V. A. (1996) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Clark, D. and Seymour, J.; Reflections on Palliative Care. Open Press University, 1999.

FRUDE, N. (1991) – Understanding family problems: A psychological approach. Chichester, John Wiley & Sons.

GOTAY, C. C, (1993)  - Models of terminal care. Review of the research literature. Journal of integrative medicine, Vol. 6 (3):  131-141.

HENNEZEL, M. (1996) – La muerte intima  Barcelona, Plaza e Janes.

HENNEZEL, M. (2001) - Nós não nos despedimos. Lisboa, Editorial Notícias.

KASTENBAUM, R. & WEISMAN, A.D. (1968) - The psychological autopsy: A study of the terminal phase of life. Community Mental Health Journal Monograph, 4. Behavioural Publications.

KOVÁCS, M..J. (1992) – Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M..J. (1998) – Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Bioética, 6:  61-69.

KOVÁCS, M..J. (1998) – Avaliação da qualidade de vida em pacientes oncológicos em estado avançado da doença.. In: CARVALHO, M.M.J (Org.) – Psico-oncologia no Brasil: Resgatando o viver. São Paulo, Summus: pp159-185.

KOVÁCS, M.J.  (1999) – Atendimento psicológico em unidades de cuidados paliativos. Revista Brasileira de Medicina. 56 (8):  786: 795

KOVÁCS, M.J. (1999) - Pacientes em estágio avançado da doença, a dor da perda e da morte. In: CARVALHO, M.M.J. (Org.) - Dor um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus, p. 318-337.

KOVÁCS, M.J.; KOBAYASHI, C.; SANTOS, A.B.B. & AVANCINI, D.F.C. (2001) - Implantação de um serviço de plantão psicológico numa unidade de cuidados paliativos. Boletim de Psicologia, vol 51 (114): 1-22.

KOVÁCS, M.J. (2003. – Comunicação nos programas de cuidados paliativos. Mundo da saúde, 27 (27): 71-80.

KOVÁCS, M.J (2007). Contribuições de Elizabeth Kübler-Ross nos estudos sobre a morte e o morrer. In INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius, pp.207-216.

KOVÁCS MJ (2018) – Educação para a morte com dignidade. In: MELEIRO AMAS (Org.) Psiquiatria. Aspectos fundamentais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

KUBLER-ROSS (1969)- Sobre a morte e morrer. São Paulo, Martins Fontes.

KÜBLER-ROSS, E. (1975 ) – Morte: Estágio final da evolução. Rio de Janeiro, Record.719-727.

MELO, A.G.C. (2001) - Cuidados paliativos abordagem em evolução no Brasil. Boletim ICAPS,  Ano XVII, 189: 3-4.

MERCER, V.; WANDERBROOCKE, A.C. (Orgs). 2011. Hospital, saúde e subjetividade. São Paulo: Casa do Psicólogo.

MONTIGNY, J.L. (1993) - Distress, stress and solidarity in palliative care. Omega, Journal of Death and Dying 27 (1):  159-172.

NULAND, S.B.  (1995)- Como morremos. Reflexões sobre o último capítulo da vida. Rio de Janeiro, Rocco.

PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C. (1994) – Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

PESSINI, L.& BERTANCHINI, L. (2006). Novas perspectivas em cuidados paliativos: ética geriatria, gerontologia, comunicação e espiritualidade. In PESSINI, L.& BERTANCHINI, L. Bioética e longevidade humana. São Paulo, S. Camilo, Loyola, pp: 353-392.

PIMENTA, C.A.M. (1999) - Fundamentos teóricos da dor e de sua avaliação. In: CARVALHO, M.M.J. (Org.) - Dor um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus, p. 31-46.

PINCUS, L. (1989) – A família e a morte. Rio de Janeiro. Paz e Terra.

Randall, F.; Downie, R.S.; Palliative care Ethics – A Companion for all Specialists. Oxford University Press, 1999.

SAUNDERS, C. (1991) – Hospice and palliative care. An interdisciplinary approach. Londres, Edward Arnold.

SAUNDERS, C. (1993) - Prefácio - In: DOYLE, D.; HANKS, G. & MC. DONALD, N. Oxford textbook of palliative care. Oxford, Oxford University Press.

SAUNDERS, C. (1996) - A personal therapeutic journey. Brittish Medical Journal, 313:  274-275.

Saunders, C. e Kastenbaum R.;  Hospice care on the International Scene Springer. Publishing Company, Inc., 1997.

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

YALOM, I. (2008) Mirar al sol. La superacion del miedo a la muerte. Buenos Aires, Emecé.

ZAIDHAFT, S. (1990) – Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

ZIEGLER, J.(1977) -  Os vivos e a morte. Rio de Janeiro, Zahar.

Periódicos para consulta geral:

Omega: Journal of Death and Dying

Life and Threatening Behaviors Journal

Temas em Psico-Oncologia

Journal of Palliative Care.

O mundo da saúde

 

PSICO-ONCOLOGIA

Obra de referência

CARVALHO, V.A; FRANCO, M.H.P.F.; KOVÁCS, M.J.; LIBERATO, R.; MACIEIRA, R.C.; VEIT, M.T.; GOMES, M.J.B; BARROS, L.H.C. (2008) Temas em Psico-Oncologia. São Paulo, Summus

 

ARNETZ,  B (1983).  - Psychophisiological Effects of social understimulation. In: Old Age. Laboratory for Clinical Stress Research, Karolinska Institutde and National Institute for Psychosocial Factor in Health, Stockholm..

BALTRUSCH, H.J.F., SEIDEL, J., STAMGEL, W., WALTZ, M.E (1988). - Psychosocial stress, aging and cancer. Annals of the New York Academy of Sciences,  Vol 521.

BERNARD C.(1959) - Introdução à medicina experimental. Lisboa, Guimarães, Editores.

CARVALHO, M.M.J (Org.)(1994)- Introdução à Psiconcologia. Campinas, Editorial Psy.

CARVALHO, M.M.J. (Org.) (1998) – Psico-Oncologia no Brasil. São Paulo, Summus.

DATTORE, P.J., SCHONTZ, F. C., COYNE,L. (1988) - Premorbid personality differentiation of cancer and noncancer group: a test of the hypothesis of cancer proneness. Journal of Consulting and Clinical Psychology,  48 : 388-394.

DEGORATIS, L.R., ABELOFF, M.D.A., MELISARATOS, N. (1979) - Psychological coping mechanisms and survival time in metastatic breast cancer. JAMA, 242, :1504-1508.

FOX, B.H. (1981) - Psychosocial factor and immune system in human cancer. In: ADER, R - Psychoneuroimmunology. N.Y. Academic Press.

GREER, S., MORRIS, T. PETTINGALE, K.W  (1979)- Psychological response to breast cancer: effect on outcome. The Lancet,  Oct 13 :785-787.

KOVÁCS.M.J. (2016).  Psico-oncologia: definições, desafios e campos de atuação. In: KAMERS, M.; MARCON, H.H. MORETTO, M.L.T (Orgs). Desafios atuais das práticas em hospitais e nas instituições de saúde. São Paulo: Escuta, 293-312.

LOCKE, S., COLLIGAN, D.(1987) - The healer within. N.Y. New American Library.

ORTIZ, M.C. (2003). À margem do leito. A mãe e o cancer infantile. São Paulo, Arte & Ciência.

PERINA, E. & NUCCI, N. (Org). (2005). As dimensões do cuidar em psico-oncologia pediátrica. Campinas, Edit. Livro Pleno.

REDD.     W.H., JACOBSEN, P.B. (1988) - Emotions and cancer: new perspetives on an old question. Cancer,  62 :1879-1879.

SIMONTON, O.C., MATTHEWS-SIMONTON, S., CREIGHTON, J (1977). - Com a vida de novo. S.P., Summus.

Temas em Psico-Oncologia -(1996) Publicações do III Encontro e I Congresso Brasileiro de Psico-Oncologia. São Paulo, 1996.

THOMAS, P.D. GOODWIN, J.M., GOODWIN, J.S (1985). - Effect of social support on streskks, related changes in cholesterol level, uric and immune funcion in an elderly sample. Journal Psychiatry, 142 : 735-737.

 

PROFISSIONAIS DE SAÚDE E A MORTE

BENOLIEL J.Q. (1987/1988) - Health care providers and dying patients: critical issues in terminal care. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 341-363.

Boemer, M. A morte e o morrer. São Paulo, Cortez, 1989.

CARVALHO, V.A.C. (1996) - A vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M.J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO, V.A.C. - Vida e morte: Laços da Existência. São Paulo, Casa do Psicólogo: 35-76.

CASSORLA, R.M.S. (1991) - Como lidamos com o morrer - Reflexões suscitadas no apresentar este livro. In: CASSORLA, R.M.S. (Org.) - Da morte: estudos brasileiros. Campinas, Papirus: 17-24.

Cassorla, R.S. Da morte: estudos brasileiros. Ed. Papirus, 1991ª Principalmente o capítulo 2: o médico lidando com a morte: aspectos da relação médico-paciente terminal em cancerologia (de Terezinha Eduardes Klafke).

Esslinger, I. As representações do espaço da morte no curso de Psicologia: um estudo exploratório. Dissertação de mestrado, USP, 1995.

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M.J.; VAICIUNAS, N. (2004). Cuidando do cuidador no contexto hospitalar. O mundo da saúde, 28 (3): 277-283.

Flauzino CJ (2020).  Flauzino CJ. O médico e a morte. Contribuições da psicologia fenomenológica. Curitiba: Appris, 2020. ISBN: 978-65-5523-628-6

Kovács, M.J. A questão da morte e a formação do Psicólogo. Tese de doutorado. USP, 1989.

KOVÁCS, M.J. (1991) - Pensando a morte e a formação do psicólogo. In: CASSORLA, R.M.S. - Da morte: Estudos brasileiros. Campinas, Papirus.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo, Casa do Psicólogo.

Kovács, M.J. (2010). Sofrimento da equipe de saúde no contexto hospitalar. Cuidando do cuidador profissional. Mundo da Saúde, vol. 34(4): 420-429.

Kubler-Ross, E. Perguntas e respostas sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes. 1987.

Levinton, D. -  Education for Death or Death Becomes Less a Stranger. In: OMEGA, Vol. 6 (3), 1975, pg. 183-191.

Montaigne, M.  De como filosofar e aprender a morrer – Em: Montaigne, Ensaios, Cap. XX, pg. 48 (Os Pensadores), vol XI, São Paulo, Ed. Abril, 1972.

SHIMIZU, H. E. (2000) - As representações sociais dos trabalhadores de enfermagem não enfermeiros (técnicos e auxiliares de enfermagem) sobre o trabalho em Unidades de Terapia Intensiva em um hospital-escola. São Paulo, Escola de Enfermagem USP. Tese de doutorado.

TAMAYO, M.R.. (1997) Relação entre a síndrome de Burnout e os valores organizacionais no pessoal de enfermagem de dois hospitais públicos. Brasília, Instituto de Psicologia da UNB. Dissertação de mestrado.

TORRES, W.C. E GUEDES.W.G (1987). - O psicólogo e a  terminalidade. Arquivos Brasileiros de Psicologia. 39(2):  29038.

Omega, Journal of Death and Dying (1975) - o número completo

ZAIDHAFT, S. (1990) - Morte e formação médica.  Rio de Janeiro, Francisco Alves.

 

SUICÍDIO E COMPORTAMENTOS AUTO DESTRUTIVOS

ABADI, M  - Em torno de la muerte. Notas psicanaliticas sobre 1 fantasia clave. In: ABADI, M (1973). - La fascinacion de la muerte. B. A., Edit. Paidós.

ALVAREZ, A.(1971) - O deus selvagem. São Paulo, Companhia das Letras.

ALVES, R. (1991) - O morto que canta. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros.  Campinas Papirus, p. 11-16.

Aquino, T.A.V.; Silva, J.P.; Figueiredo, A.T.B.; Doutorado, E.T.S.; Farias, E.V.S. (2011). Avaliação de uma proposta de prevenção do vazio existencial com adolescentes. Psicologia: Ciência e Profissão, v.1, 136-159.

BOTEGA NJ (2015) Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre, Artmed.

BOTEGA NJ (2018). A tristeza transforma, a depressão paralisa. Um guia para pacientes e familiares. São Paulo, Benvirá.

BYINGTON, C (1979). - Aspectos psiquiátricos do suicídio. Boletim de Psiquiatria,  vol 12 (1-4), : 13-32.

CAMUS. A. - O mito de Sísifo.

CASSORLA, R. M. S (1984) -  O que é suicídio. S.P., Brasiliense.

CASSORLA, R.M.S(1984). - Características de famílias de jovens que tentam suicídio em Campinas Brasil. Um estudo comparativo com jovens normais e psicóticos. Acta Psiquiátrica e Psicológica da America Latina,  30 : 125-134.

CASSORLA, R.M.S.(1991) (Org) - Do suicídio: Estudos brasileiros. Campinas, Papirus,

SAMPAIO, D. (1991) - Ninguém morre sozinho. O adolescente e o suicídio. Lisboa, Editorial Caminho.

DIAS, M.L (1991). - Suicídio. Testemunhos de adeus. S.P., Brasiliense.

DURKHEIM, E. (1971) - El suicidio. Buenos Aires, Schapire Edit.

EBERT. B.W.(1987) - Guide to conduct a psychological authopsy. Professional Psychology Research and Practice, Vol 18 (1) :52-56.

FEIJÓ, M. (1998) – Suicídio entre a razão e a loucura. São Paulo, Editorial Lemos.

FENSTERSEIFER, L.;WERLANG,B.S.G. (2006). Comportamentos auto-destrutivos. Subprodutos da modernidade?.Psicologia Argumento. P. 35-44

FRIEDRICH, S. Tentativa de suicídio na infância. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 1989.

FUKUMITSU, K.O. Suicídio e Gestalt-terapia. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2012.

______. Suicídio e Luto: histórias de filhos sobreviventes. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2013.

FUKUMITSU KO (2018). Suicídio, luto e posvenção. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p 216-231

GARMA, A. - Los suicídios. In: ABADI, M. (1973) - La fascinacion de la muerte. B.A., Edit. Paidós.

GIORDANO, V. (1991) - Subsídios para a profilaxia do suicídio através da educação. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros.  Campinas Papirus. P. 167-188.

Grubits, S.; Freire, H.B.G.; Noriega, J.A. (2011). Suicídio de jovens Guaranis Kaiowaas de Mato Grosso do Sul, Brasil. Psicologia Ciência e Profissão, Brasília, v. 31(3), 504-513.

GRUNSPUN, H. (1991) - Fatores suicidógenos como avaliação do risco de suicídio em adolescentes. CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros.  Campinas Papirus.p. 117-148.

GUILLON, C. e BONNIEC, Y (1984). - Suicídio, modo de usar. S.P., EMW Edit.

GUSTEIN,S.E. Suicídio de adolescentes: a perda e a reconciliação. Em WALSH,F. & MC GOLDRICK, M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre, Artmed, 1998.

Hillman, J. (1993). Suicídio e alma. Petrópolis, RJ: Vozes.

JAMISON, K.R. (2002) – Quando a noite cai. Rio de Janeiro, Gryphus,

KALINA, E. & KOVADLOFF, S. (1983) - Cerimonias da destruição. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

KASTENBAUM , R. e AISENBERG, R. (1983) - Psicologia da morte. S.P., Pioneira..

KNOBEL, M. - Sobre a morte e o morrer e o suicídio. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros.  Campinas Papirus, p. 27-40

KOVÁCS, M.J. (1992) - Comportamentos autodestrutivos e o suicídio. In: KOVÁCS, M.J. (Org. ) - Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo, p.165-187.

KOVACS, M J (2013). Revisão crítica sobre conflitos éticos envolvidos na situação de suicídio. Psicol. teor. prat.,  São Paulo ,  v. 15, n. 3, p. 69-82.

Kovács, M.J. (2019). Suicídio prevenção e posvenção: análise de políticas públicas de saúde. In: Cabral, B.E.; Szymanski, L.; Moreira, M.I.B.; Schmidt, M.L.S. (Orgs.) Práticas em pesquisa e pesquisa como prática. Experimentos em Psicologia. Curitiba: Editora CRV, 197-214.

 KUCZYNSKI, E. – Suicídio. In: ASSUMPÇÃO, F.B.; KUCZYINSKI,E. (2003). Tratado de Psiquiatria da infância e da adolescência.  São Paulo, Edit. Atheneu: 569-576

LAUFER, M. (Coord.). O adolescente suicida. Lisboa, Climepsi Editores, 2000.

LEVY, M. (1979) - Introdução ao estudo do suicídio. Boletim de Psiquiatria., Vol 12 (1-4) :1-12.

MARTINS, M.F. A tentativa de suicídio adolescente – da clínica às ciências sociais e humanas.  Porto, Edições Afrontamento, 1990.

Martuscello, C. Suicídio: percepção e prevenção. Rio de Janeiro, Cultura médica, 1993.

MARQUETTI, F.C. (2011). O suicídio como espetáculo na metrópole. São Paulo, Editora FAP-UNIFESP.

MARQUETTI F; LEITE PMT. Intervenção na crise suicida, silenciar determinantes ou produzir sentidos. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p155-165.

MELEIRO, A.; TENG, C.T.;WANG, Y.P. Suicídio – estudos fundamentais. São Paulo, Segmento Farma, 2004.

MENNINGER, K. (1965) - Eros e Thanatos. O homem contra si próprio. São Paulo, Ibrasa.

MINAYO, MCS; FIGUEIREDO,AEBF; SILVA,RM (Orgs.) (2016). Comportamento suicida de idosos. Fortaleza: UFC,  

Minayo, M.C.S; Cavalcante, F. (2010). Suicídio em pessoas idosas: revisão de literatura. Revista de Saúde Pública, v.44: 750-757.

MIRANDA d. (0rg). (2016). Por que policiais se matam. Rio de Janeiro, Mórula Editorial

NOGUEIRA, A.M.P. Suicídio, espelho do narcisismo – um estudo teórico-clínico a partir de Freud.  Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 1997.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

POMERAUX, X. L `adolescent suicidaire. Paris, Dunod, 1996.

RIGO.K.F. (2016) Vamos começar pelo fim? São Paulo: Editora Chiado

Sampedro R. (2005). Cartas ao inferno. São Paulo: Editora Planeta.

SCAVACINI K (org) (2018). Histórias de sobreviventes do suicídio. São Paulo: Instituto Vita Alere, Benjamim Editorial.

Scavacini, K. (2018). O suicídio é um problema de todos: a consciência, a competência e o diálogo na prevenção e posvenção do suicídio. Tese de doutorado. São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano. Instituto de Psicologia USP.

SHNEIDMAN, E. & FARBEROW, N. (1959) - Suicide and death. In: FEIFEL, H. (Edit.) - Meanings of death.  New York, Mc Graw Hill.

Shneidman, E.S. (1993) Suicide as Psychache: A clinical approach to self-destructive behavior. London: Jason Aronson.

Solomon, A. (2002). O demônio do meio dia. Uma anatomia da depressão. Rio de Janeiro: Objetiva

SOUZA, E.L.A. Os eus nos textos escritos de adolescentes. Em: Adolescência entre o passado e o futuro. Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Artes e Ofícios Ed, 1997.

TEIXEIRA, C.M.F.S. Tentativa de suicídio na adolescência: dos sinais de aviso às possibilidades de prevenção. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 2003.

TORO, G.R.V; KOVÁCS, M.J. (2017). Tentativas de suicídio. Vivencias dos profissionais de saúde no Pronto Socorro. Novas Edicções Academicas.

TUBERT, S. A tentativa de suicídio como rito de iniciação. In: A morte e o imaginário na adolescência. Rio de Janeiro, Companhia de Freud, 1999.

WERLANG, B.G. & BOTTEGA, N.J. (organizadores) (2004). Comportamento suicida.. Porto Alegre, Artmed.

 
LIVROS SOBRE MORTE – VÁRIOS TEMAS

INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius.

 

 

DOCUMENTÁRIOS

Extremis (2016). Dan Krauss. Netflix

Morte assistida em Oregon (2011) dirigido por Peter Richardon, com a duração de 107 minutos apresentado pela rede HBO.

A partida final. Documentário Netflix

 

    

FILMES

Mar Adentro – Diretor Alejandro Amenábar. Oscar de filme estrangeiro 2005.

Como eu era antes de você. Direção Thea Sharrock (2016),

A última lição. Direção Pascale Pouzadoux (2015).

Escolha de vida. Direção: Simon Curtis, (2009)

A Partida. Diretor Yojiro Takita. Japão (2008). Oscar de melhor filme estrangeiro.

Amor. Diretor Michel Haneke. 2013. Oscar filme estrangeiro

Invasões Bárbaras. Denis Arcand, 2004. Oscar de filme estrangeiro

You don’t know Jack. Barry Levinson 2010.

De quem é a vida afinal? John Badham, 1981

Truman. Cesc Gay, 2015.

 

 

 

Curso: Morte e Desenvolvimento Humano

Morte nas instituições de saúde e educação; Profissionais de Saúde e ducação:

Docente: Maria Júlia Kovács

LIVROS BÁSICOS

KOVÁCS, M.J.(1992)- Morte e Desenvolvimento Humano. São Paulo - Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a Morte. Desafio na Formação de Profissionais de Saúde e Educação. São Paulo - Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a Morte. Desafio na Formação de Profissionais de Saúde e Educação. São Paulo - Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2008) - Org. Morte e existência humana. Caminho de cuidados e possibilidades de intervenção. Rio de Janeiro, Guanabara, Koogan. Capítulos: 1) Viver e conviver com Aids (Ana Maria Baricca); 2. Adolescentes, vidas interrompidas (Cláudia Fernanda Rodriguez); 3. O lugar da mãe no tratamento do câncer (Marta Cristina M. Ortiz); 4. A morte simbólica na menopausa (Silvana Parisi); 5. Envelhecimento, temporalidade e morte nos relatos de idosos (Carla Silva Santana) 6. Ciclo da existência: envelhecimento, desenvolvimento humano e auto-conhecimento (Maria Julia Kovács e Nancy Vaiciunas): 7. Impacto do suicídio. Ataque ao ser (Ana Beatriz Brandão dos Santos); 8. Morte em vida: mutilações e o processo de luto pela identidade perdida (Elaine Reis Alves); 9.  De quem é a vida afinal? Cuidando dos cuidadores (Ingrid Esslinger); 10. Ecologia mental da morte: um novo olhar, uma nova escuta para a Psicologia da Morte. (Marisa Moura Verdade) 11. Educação para a Morte: Desafio na formação de profissionais de saúde e educação (Maria Julia Kovács)

ATITUDES FRENTE À MORTE - OCIDENTE E ORIENTE FRENTE À MORTE 

ARIES, P (1977) – Homem diante da morte. Rio de Janeiro, Francisco Alves

ARIES, P. (1977) – História da morte no Ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

BECKER, E. (1976) - A negação da morte. Rio de Janeiro, Nova Fronteira.

CESAR, B. (2001) - Morrer não se improvisa. São Paulo, Gaia.

EWANS WENTZ, W.Y. (Org.) (1960) - Bardo Thodol. O livro tibetano dos mortos. São Paulo, Pensamento

FEIFEL, H. (1977) - Death and dying in modern America. Death Education 1:  5-14.

FEIFEL, H. (1977) - Death and dying in modern America. Death Education 1:  5-14.

FULTON, R. & OWEN, G. (1987/1988) - Death and society in the twentieth century in America. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 379-395.

GIDDENS, A. (1990) - The consequences of modernity. Cambridge, Polty Press.

GURGEL, A. (2008) - Direitos sociais dos moribundo. Controle social e expropriação da morte. São Luís, Editora da Universidade Federal do Maranhão.

OLIVEIRA, M.F.;CALLIA, M.H.P.(2005) - Reflexões sobre a morte no Brasil. São Paulo, Edit Paulus

PARKES, C.M.; LAUNGANI, P.& YOUNG BILL (Eds.) (1997) - Death and bereavement across the cultures. London, Routledge.

RINPOCHE S. (1999) - O livro tibetano do viver e morrer. São Paulo, Editora Talento e Palas Athena.

BIOÉTICA

BIOÉTICA - Revista Publicada pelo Conselho Federal de Medicina

BURLÁ, C. (2015). A aplicação das diretivas antecipadas de vontade na pessoa com demência. (Tese de Doutorado). Faculdade de Medicina. Universidade do Porto.

CAVALCANTE F. G., MINAYO M. C. S. Estudo qualitativo sobre tentativas e ideações suicidas com 60 pessoas idosas brasileiras. Ciência e Saúde Coletiva, v.20, 2015, p.1655-1666.

CHOCHINOV, H.M.; WILSON, K.G.; ENNS, M.; MOWCHUN, N.; LANDER, S.& LEVITT, M. (1995) - Desire for death in the terminally ill. American Journal of Psychiatry, 152:  1185-1191.

CONGRESSO INTERNACIONAL SOBRE “LIFE SUSTAINING TREATMENTS AND VEGETATIVE STATE: SCIENTIFIC ADVANCES AND ETHICAL DILEMMAS – promovido pela Federação Internacional de Médicos Católicos e Pontifícia Academia para Vida (Roma 10-17 de março de 2004). Bioética – Cuidar e Saúde. Mundo da Saúdea, 28 (v.3): 340-346.

DADALTO L; SÁ MFF (2018) Orgs.  Direito e Medicina. A morte digna nos tribunais. Indaiatuba SP, Editora Foco.

DODGE, R.F. (1999) - Eutanásia, aspectos jurídicos. Bioética, 7, no. 1: 113-120.

ESPERANDIO, MRG; KOVÁCS, MJ. (2017). Bioética e Psicologia. Inter-relações. Curitiba, CRV.

FABBRO, L. (1999) - Limitações jurídicas à autonomia do paciente. Bioética, 7, no. 1: 7-12.

FLORIANI C. (2013). Moderno movimento hospice: Kalotanasia e o revivalismo estético da boa morte. Revista Bioética CFM, 21(3), 397-404

FRANÇA, G.V. (1999) - Eutanásia: enfoque ético-político. Bioética, 7, no. 1: 71-82

HORTA, M.P. (1999) - Eutanásia- problemas éticos da morte e do morrer. Bioética, 7, no. 1: 27-34.

HUMPHRY, D. (1991) - Final Exit: The practicalities of self deliverance and assisted suicide. Oregon, The Hemlock Society.

KASTENBAUM, R. (1999-2000) - Looking death in the eye. Another challenge from doctor Kervokian. Omega, Journal of Death and Dying, 40 (1): 279-286.

KOVÁCS, M.J. (1998) - Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Bioética, 6 (1): 61-70.

KOVÁCS, M.J. (2003).- Bioética nas questões de vida e morte. Boletim de Psicologia, 14 (2): 95-167.

KOVÁCS, MJ; ESSLINGER, I. (Org.) Dilemas éticos. São Paulo, Loyola, 2008.

KOVÁCS, M.J. (2012). (Coordenadora científica). Reflexões sobre a morte: Dilemas éticos. Mundo da Saúde, 36, v.36(1). Jan. Mar 2012. Centro Universitário São Camilo.

KOVÁCS MJ. Pesquisa com pacientes gravemente enfermos: autonomia, riscos, benefícios e dignidade. Revista Bioética, 2009, 17(2): 309-318.

 

 

KOVÁCS, M.J. (2014). A caminho da morte com dignidade no Século XXI. Revista Bioética (Impresso), 22: 94-104.

KOVÁCS, MJ. (2017). Psicologia e Bioética: cuidado a pacientes gravemente enfermos. In: ESPERANDIO, MRG; KOVÁCS, MJ. Bioética e Psicologia. Inter-relações. Curitiba, CRV- 73-84.

KOVACS MJ, GODINHO AM (2018). Morte digna na Colômbia. Analise da Setenncia T-970/14. In DADALTO L; SÁ MFF (2018) Orgs.  Direito e Medicina. A morte digna nos tribunais. Indaiatuba SP, Editora Foco, 75-92.

LAMB, D. (2001) - Ética, morte e morte encefálica. São Paulo, Office Editora.

LÉPARGNEUR, H. (1987) - O doente, a doença e a morte. Campinas, Papirus.

LÉPARGNEUR, H. (1999) - Bioética da eutanásia - Argumentos éticos em torno da eutanásia. Bioética, 7, (1): 41-48.

MARKSON, E. (1995) - To be or not to be: assisted suicide revisited. Omega, Journal of Death and Dying, 31 (3):  221-235.

MARTIN, L. (1993) - A ética médica diante do paciente terminal. Leitura ético-teológica da relação médico-paciente terminal nos códigos brasileiros de ética médica. São Paulo, Editora Santuário.

MISHARA, B.L. (1999) - Synthesis of research and evidence on factor affecting the desire of terminally ill or seriously chronically ill persons to hasten death. . Omega, Journal of Death and Dying, 39 (1):  1-70.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

PESSINI, L. (1997) - Distanásia. Até quando investir, sem agredir? In: CAMON, V.A. (Org.) A ética na saúde. São Paulo, Pioneira.

PESSINI, L. (1999) - Eutanásia e as religiões (judaísmo, cristianismo, budismo, islamismo). Bioética, 7, (1): 83-100.

PESSINI, L. (2001) - Distanásia. Até quando prolongar a vida? São Paulo, Editora do Centro Universitário São Camilo/Loyola.

PESSINI, L. (1996) - Fundamentos da bioética. São Paulo, Paulus.

RAMOS, A.C. (2003)  Eutanásia: aspectos éticos e jurídicos. Florianópolis, OAB/SC

SEGRE, M. &COHEN, C. (Org.) (1995) - Bioética. São Paulo, Edusp.

SEGRE, M. (1986). Eutanásia: aspectos médicos-legais. Revista da Associação Médica Brasileira, 32 (77/78):  141-142.

SEGRE, M. (1999) - Atualidades. Bioética, 7, (1): 145.

CUIDADOS PALIATIVOS

BERTANCHINI, L.; PESSINI, L. (Org.) (2011). Encanto e responsabilidade no cuidado da vida. São Paulo, São Camilo, Paulinas.

CAPONERO, R. & BIFULCO V.A. (2016). Cuidados Paliativos - Conversas sobre a vida e a morte na saúdeSão Paulo - Editora Manole

CAPONERO, R. & BIFULCO, VA (2018). Cuidados paliativos: um olhar sobre as práticas e necessidades atuais.  Barueri SP, Manole.

CORADAZZI, A.L. (2016). No final do corredor. São Paulo: Manole.

FORTE, D.N.; ACHETTE, D. (2018). Cuidados paliativos no século XXI. In: Fukumitsu, K.O. (Org.). Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo: Summus, 141-154.


KOVÁCS, M.J. (2014). A caminho da morte com dignidade no Século XXI. Revista Bioética (Impresso), 22: 94-104.

KOVÁCS MJ (2018). Morte com dignidade. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p 29-48.

OLIVEIRA, R.A. (Org.) (2008) Cuidado Paliativo. Grupo de trabalho multidisciplinar – Cremesp. São Paulo

DOR

CARVALHO, M.M.J. (Org.) – (1999) – Dor: Um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus.

 

EDUCAÇÃO PARA A MORTE

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Temas e reflexões. São Paulo, Casa do Psicólogo.

RIGO, K.F. (2016) Vamos começar pelo fim? São Paulo: Editora Chiado

 

EMERGENCIAS E DESASTRES

ALVES, E.G.R (2016). Considerações psicossociais sobre Deformidade Pessoal. A pessoa, a família e os profissionais de saúde. Jundiaí SP, Paco Editorial.

ALVES EGR (2018). Da psicologia dos desastres à psicologia da gestão integral de riscos e desastres. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p 166-181.

FRANCO, M.H.P. (Org.) (2015) A intervenção psicológico em emergências. Fundamentos para uma prática. São Paulo: Summus Editorial.

 

ENVELHECIMENTO

BEAUVOIR, S. - A velhice. São Paulo, Martins Fontes.


BIANCHI, H. (1993) - O eu e o tempo. Psicanálise do tempo e do envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo.

GOLDFARB, D.C. (1998) – Corpo, tempo e envelhecimento. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS MJ. Doença e morte no imaginário do homem velho. A terceira idade, 2009, Vol 20 (46): 62-73.

 

KOVÁCS, M.J. Angústia de morte e envelhecimento. (2017) In: Perez, G.H. Ismael, S.C. Elias, V.A. E Moretto, M.L.T. (Orgs.) Tempo da vida e a vida do nosso tempo. Repercussões na psicologia hospitalar. São Paulo, Atheneu,

KOVÁCS, M.J. (2017).  A questão da morte nas instituições de longa permanência para idosos: do interdito à comunicação. In: Cabral, B.E.B; Barreto, C.L,B,T; Kovács, M.J.; Schmidt, M.L.S. (Orgs.) Práticas psicológica em instituições. Clínica, saúde e educação. Curitiba, CRV.

ESPIRITUALIDADE

PESSINI, L. & BARCHIFONTAINE, C.P. (2008). Buscar sentido e plenitude de vida. Bioética, saúde e espiritualidade. São Paulo, Paulinas, São Camilo.

PESSINI, L. (2010). Espiritualidade e arte de cuidar.: O sentido da fé para a saúde. São Paulo, São Camilo, Paulinas.


FREITAS, H.F. AQUINO, T.A.A. PAIVA, J.G. (ORGS) (2016) Morte, psicologia e religião. São Paulo, Fonte Editorial.

LUTO

ABERASTURY, A. (1984). A percepção da morte na criança e outros escritos. Porto Alegre, Artes Médicas.

ABERASTURY, A. e KNOBEL, M (1973). - La adolescencia normal. B.A., Edit. Paidós, .

ARIES, P. (1977) - A história da morte no Ocidente. R.J., Francisco Alves.

BLACK, D. (1998) - Bereavement in childhood. In PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds.) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 28-35.

BOSS, P. (1991) - Ambiguous loss. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 164-175.

BOWEN, M. (1991) - Family reaction to death. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 79-93

BOWLBY, J (1985) -Apego, perda e separação. S.P., Martins Fontes.

BROMBERG, M.H.P.F. (1995) - A psicoterapia em situações de perdas e luto. Campinas, Editorial Psy.

BRUN, D. (1996) -  A criança dada por morta: riscos psíquicos da cura. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CARUSO, I. (1982) - A separação dos amantes. S.P., Diadorim Cortez.

CARVALHO, V. A. (1996/2011) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CASELLATO, G. (org.) (2005). Dor silenciosa ou dor silenciada? Perdas e lutos não reconhecidos por enlutados e sociedade. Campinas, Livro Pleno.

CASELLATO G. (Org.) (2015). O resgate da empatia. Suporte psicológico ao luto não reconhecido. São Paulo: Summus Editorial.

CASELLATO G (2018). Luto não autorizado. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p. 207-215.

CORR, C. A. (1998/1999) - Enhancing the concept of disenfranchised grief. Omega, Journal of Death and Dying, 38 (1):  1-20.

DOKA, K. (1989) - Disenfranchised grief - recognizing hidden sorrow. Nova York, Lexington Books.

FAGIN, L. (1998) - Occupational loss. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 70-80.

FONSECA, J.P. (2004).Luto antecipatório. Campinas, Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (2002). Estudos avançados sobre o luto. Campinas, Editorial Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (Org.) (2005). Nada sobre mim sem mim. Campinas, Edit. Livro Pleno.

FRANCO, M.H.P. (Org.) 2010. Formação e rompimento de vínculos. São Paulo, Summus.

FRANCO, M.H.P. (2014). Luto antecipatório em cuidados paliativos. In Franco, M.H.P.; Polido, K. (Orgs.). Atendimento psicoterapêutico no luto.  São Paulo: Zagodoni, 27-35.

FRANCO, MHP. Pesquisas e práticas sobre luto no exterior e no Brasil. In: In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p193 -206

FREUD, S (1974) - Luto e melancolia. (1917(1915)). In: Edição Standard Brasileira das Obras Completas de Sigmund Freud. R.J., Imago, Vol 14.

FUJISAKA, A.P. (2014). O familiar do cuidador e o processo de fim de vida e de morte de seu ente querido: Uma compreensão fenomenológica. Tese de Doutorado, Não-Publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano. Universidade de São Paulo, São Paulo.

FUKUMITSU,K.O. Uma visão fenomenológica do luto: um estudo sobre as perdas no desenvolvimento humano. Campinas: Editora Livro Pleno, 2004

GOLDMAN, L. Breaking the silence. A guide to help children with complicated grief – Suicide-homicide-Aids-Violence and Abuse. Taylor e Francis. 1996.

GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family.  Nova York, W. Norton & Co, p. 207-223.

IMBER-BLACK, E. (1991) - Rituals and the healing process. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 207-223.

IMBER-BLACK, E. Os segredos na Família e na terapia familiar. Porto Alegre. Artes Médicas, 1994, CAP. 7: Morte: o mais perturbador segredo familiar (de Lorraine Wright e Jane Nagy).

KASTENBAUM, R. (1969) - Death and bereavement in later life. In: KUTCHER A.H. (Ed.). Death and bereavement. New York, Springfield: 28-54.

KLASS, D.: Silverman, P.; Steven, N.; Continuing Bonds – New Understandings of Grief, Taylos e Francis, 1996.

KLEIN, M - O luto e a sua relação com os estados maníaco depressivos. In: KLEIN, M. (1981) - Contribuiçðes à psicanálise. S.P., Mestre Jou.

KOVÁCS, M..J. (1992) – Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M.J. (2007). Perdas e o processo de luto. INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius, pp: 217-238.

MAGUIRE, P. & PARKES, C.M. (1998). Surgery and loss of body parts. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds.) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p. 47-56

MAZZORRA, L. & TINOCO, V. (org). (2005). Luto na infância. Intervenções psicológicas em diferentes contextos. Campinas, Edit Livro Pleno.

MAZZORRA L. (2009). A construção de significados atribuídos à morte de um ente querido      e o processo de luto. Tese Doutorado, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Clínica. Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, São Paulo.

MÉTRAUX- J.C. (2004/2011). Lutos coletivos e criação social. Curitiba, Editora UFPR.

PARISI, S. (2012). Amor & Separação: Reencontro com a alma feminina. São Paulo: Vetor.

PARKES, C.M. (1987/1988) - Research: Bereavement. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 365-377.

PARKES, C.M. & MARKUS, A. (1998) - Coping with loss. Londres, BMJ Books.

PARKES, C.M. (1986) – Bereavement studies of grief in adult life.  Londres, Penguin Books.

PARKES, C.M.; LAUNGANI,P. & YOUNG, B. (1997) - Death and bereavement across cultures. Londres, Routledge.

PARKES, C.M. (1998). Luto. Estudos sobre a perda na vida adulta. São Paulo, Summus.

PARKES, C.M. (2009). Amor e perda: as raízes do luto e suas complicações. São Paulo, Summus.

PAULA, B. de (2011). Pedaços de nós: luto, aconselhamento pastoral e esperança. São Paulo: ASTE: Editeo. Editora da Faculdade de Teologia da Igreja Metodista.

PINCUS, L. (1989) – A família e a morte. Rio de Janeiro. Paz e Terra.

PITT, B. (1998) - Loss in later life. In: PARKES, C.M. & MARKUS, A. (Eds) - Coping with loss. Londres, BMJ Books, p 90-98.

RAIMBAULT, G. (1979) - A criança e a morte. R.J., Francisco Alves.

RANDO, T. (1984) - Grief, dying and death. Clinical interventions. Champaign, Illinois, Research Press.

RANDO, T. ( 1992/1993) - The increase prevalence of complicated mourning. The onslaught is just beginning. Omega, Journal of Death and Dying, 28 (11): 43-59.

RANDO T. (1993) - Treatment of complicated mourning. Champaign, Illinois, Research Press.

RANDO, T.A.; Doka, K.J. Fleming, S.; Franco, M.H.P. Lobb, E.A. Parkes, C.M. (2012). A call to the field: complicated grief in the DSM-5. Omega (Westport), 65(4): 251-255

RANGEL,A. P.F. (2008). Amor infinito. História de pais que perderam seus filhos. São Paulo, Vetor.

ROLLAND, J. (1991) - Helping families with anticipatory loss. In: WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co, p. 144-163.

SCHACHTER, S. (1992/1993). Adolescents experiencies with death of a peer. Omega, Journal of Death and Dying, 24(1), pp:1-11.

SCOZ, M.C.P. (2012). Orfandade adulta: Vivencias de luto antecipatório junto a genitor com câncer em progressão. Tese de Doutorado, Não-Publicada, Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano. Universidade de São Paulo, São Paulo.

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

WALSH, F. & MC. GOLDRICK, M. (1991) - Living beyond loss. Death in the family. Nova York, W. Norton & Co.

WEEKS, D. & JOHNSON, C. (1992) - A second decade of high school death education. . Death Studies, 16: 269-279.

WORDEN, J.W. (1998) - Terapia do luto. Porto Alegre, Artes Médicas.

WRIGHT, L. & NAGY, J. (1994) - Morte: o mais perturbador segredo familiar. In: IMBER-BLACK, E. - Segredos na família e terapia familiar. Porto Alegre, Artes Médicas, p. 128-146.

MORTE E CINEMA

BOTTINI, M.E. 2015. - No cinema e na vida: a difícil arte de aprender a morrer. Imprensa livre - Porto Alegre.

 

MORTE E DESENVOLVIMENTO HUMANO

AMORIM, L.C.D. (2011) Autismo e Morte - Rio de Janeiro - Ribio

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M.J. (1998) – Adolescência: vida ou morte. São Paulo, Editora Ática.

JUNG, C.G. (1960) - The soul and death. Collected works (Vol. 8), Londres, Routledge and Keagan Paul

KOVÁCS, M.J.- A criança e a morte. In: ASSUMPÇÃO, F.B.; KUCZYINSKI,E. (2003). Tratado de Psiquiatria da infância e da adolescência.  São Paulo, Edit. Atheneu: 591-598

TORRES, W. (1999) – A criança diante da morte. São Paulo, Casa do Psicólogo.

MORTE E ESCOLA

KOVACS, M.J. (2010). A morte no contexto escolar: Desafio na formação de educadores. In: FRANCO, M.H.P. (Org.). Formação e rompimento de vínculos: Dilema das perdas na atualidade. Pp. 145-168.

Kovács, M.J. (2012). Educadores e a morte. Psicologia Escolar e Educacional (Impresso), 16, 71-81.

 

MORTE E LITERATURA

AJAR, E. (Romain Gary) A vida pela frente.     

ALBOM, MITCHi. A última grande lição. O sentido da vida. RJ. Sextante, 1998.

ALLENDE, I. O amante japonês.

BAUBY, J.D. (1997). O escafandro e a borboleta. São Paulo, Martins Fontes.

BEAUVOIR, S. (1965). Uma morte muito suave. Editora Nova Fronteira

BEATTIE, M. Lição de amor – Um testemunho comovente sobre a superação da dor e a reconquista da felicidade. São Paulo, Ed. Best Seller, 1994.

CUNNINGHAM, M. As horas.

FERREIRA, E.A. (2010). Minha mãe se matou sem dizer adeus. São Paulo: Record.

GAWANDE, A. (2015). Mortais. Rio de Janeiro: Objetiva

GENOVA, L. Para sempre Alice. Rio de Janeiro, Nova Fronteira, 2007. (Relato de uma pessoa com doença de Alzheimer)

GRANJA, A – Sem ti Inês.. Algragide, Portugal – 2010.

KEIZER, B. (2008). Dançando com a morte. São Paulo, Globo.

KÜBLER ROSS, E. (2002).  A roda da vida. Rio de Janeiro: Sextante.

LESSING, D. Diário de uma boa vizinha (sobre envelhecimento, solidão e cuidado de vizinhos.

LUFT. L. EXILIO, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

______. O quarto fechado, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

______ O lado fatal, São Paulo, Ed. Siciliano, 1991.

MÃE. W.H. Máquina de fazer espanhóis. Cosac Naify.

MIGUÉS, J.R. (1959). Um homem sorri à morte – com meia cara. Lisboa, Editorial Stampa.

SARAMAGO, J. Intermitências da morte.

SERVAN-SCHREIBER, D. (2011). Podemos dizer adeus mais de uma vez. Rio de Janeiro: Objetiva.

TOLSTOI L. (1886/1998) A morte de Ivan Ilitch. São Paulo: Publifolha

VARELLA, D. (2004). Por um fio.

VARELLA, D. (2007). O médico doente. São Paulo, Companhia das Letras.

VILA-MATAS – H. Suicídios exemplares.

WILBER, K. (2007). Graça e coragem. Espiritualidade e cura na vida e morte de Treya Killam Wilber. São Paulo, Gaia.

MORTE E HOSPITAL

CAMON, V.A.A. (1984) - Psicologia hospitalar. Atuação do psicólogo no contexto hospitalar. São Paulo, Traço.

CAMON, V.A. (Org.) (1992) - O doente, a psicologia e o hospital. São Paulo, Pioneira.

CAMON, V. A. (Org. ) (2000) - Psicologia. Um novo significado para a prática clínica. São Paulo, Pioneira.

ESSLINGER, I. (2004). De quem é a vida afinal? Descortinando os cenários da morte no hospital. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KAMERS, M. Marcon, H.H. Moretto (0rgs.) (2016). Desafios atuais das práticas em hospitais e nas instituições de Saúde. São Paulo, Escuta.

LAGO, K,; Codo, W. (2010). Fadiga por compaixão: o sofrimento dos profissionais em saúde. Petrópolis  RJ: Vozes.

QUINTAS, J. (2013) Nos corredores de um hospital. A experiencia de ser psicóloga numa instituição pública de saúde. Recife. Edições Bagaço.

MERCER, V. (Org.) (2009). Travesseiro de pedra. Editora UFPR.

MERCER, V.;  WANDERBROOCKE, AC. (Orgs). Hospital, saúde e subjetividade. São Paulo: Casa do Psicólogo

MONTEIRO, MAYLA C. (2017). A morte e o morrer em UTI. Familia e equipe médica em cena. Curitiba: Appris.

OLIVEIRA, MF. E Ismael, S (orgs) Rumos da Psicologia Hospitalar em Cardiologia - São Paulo - Papirus - 1995

PITTA, A. Hopital, dor e morte como ofício. São Paulo, Hucitec, 1990.

MOVIMENTO HOSPICE - CUIDADOS PALIATIVOS- MORTE COM DIGNIDADE

ARIÈS, P. (1977) – A história da morte no ocidente. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

CALLANAN, M. e Kelley, P.  Gestos finais – Como compreender as mensagens, as necessidades e a condição especial das pessoas que estão morrendo. São Paulo, Nobel, 1994.

CARVALHO, V. A. (1996) – Vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M..J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO; V.A. – Vida e morte. Laços da existência. São Paulo, Casa do Psicólogo.

CLARK, D. and Seymour, J.; Reflections on Palliative Care. Open Press University, 1999.

FRUDE, N. (1991) – Understanding family problems: A psychological approach. Chichester, John Wiley & Sons.

GOTAY, C. C, (1993)  - Models of terminal care. Review of the research literature. Journal of integrative medicine, Vol. 6 (3):  131-141.

HENNEZEL, M. (1996) – La muerte intima  Barcelona, Plaza e Janes.

HENNEZEL, M. (2001) - Nós não nos despedimos. Lisboa, Editorial Notícias.

KASTENBAUM, R. & WEISMAN, A.D. (1968) - The psychological autopsy: A study of the terminal phase of life. Community Mental Health Journal Monograph, 4. Behavioural Publications.

KOVÁCS, M..J. (1992) – Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KOVÁCS, M..J. (1998) – Autonomia e o direito de morrer com dignidade. Bioética, 6:  61-69.

KOVÁCS, M..J. (1998) – Avaliação da qualidade de vida em pacientes oncológicos em estado avançado da doença.. In: CARVALHO, M.M.J (Org.) – Psico-oncologia no Brasil: Resgatando o viver. São Paulo, Summus: pp159-185.

KOVÁCS, M.J.  (1999) – Atendimento psicológico em unidades de cuidados paliativos. Revista Brasileira de Medicina. 56 (8):  786: 795

KOVÁCS, M.J. (1999) - Pacientes em estágio avançado da doença, a dor da perda e da morte. In: CARVALHO, M.M.J. (Org.) - Dor um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus, p. 318-337.

KOVÁCS, M.J.; KOBAYASHI, C.; SANTOS, A.B.B. & AVANCINI, D.F.C. (2001) - Implantação de um serviço de plantão psicológico numa unidade de cuidados paliativos. Boletim de Psicologia, vol 51 (114): 1-22.

KOVÁCS, M.J. (2003. – Comunicação nos programas de cuidados paliativos. Mundo da saúde, 27 (27): 71-80.

KOVÁCS, M.J (2007). Contribuições de Elizabeth Kübler-Ross nos estudos sobre a morte e o morrer. In INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius, pp.207-216.

KOVÁCS MJ (2018) – Educação para a morte com dignidade. In: MELEIRO AMAS (Org.) Psiquiatria. Aspectos fundamentais. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan.

KUBLER-ROSS (1969)- Sobre a morte e morrer. São Paulo, Martins Fontes.

KÜBLER-ROSS, E. (1975 ) – Morte: Estágio final da evolução. Rio de Janeiro, Record.

MELO, A.G.C. (2001) - Cuidados paliativos abordagem em evolução no Brasil. Boletim ICAPS,  Ano XVII, 189: 3-4.

MERCER, V.; WANDERBROOCKE, A.C. (Orgs). 2011. Hospital, saúde e subjetividade. São Paulo: Casa do Psicólogo.

MONTIGNY, J.L. (1993) - Distress, stress and solidarity in palliative care. Omega, Journal of Death and Dying 27 (1):  159-172.

NULAND, S.B.  (1995)- Como morremos. Reflexões sobre o último capítulo da vida. Rio de Janeiro, Rocco.

PESSINI, L.; BARCHIFONTAINE, C. (1994) – Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

PESSINI, L.& BERTANCHINI, L. (2006). Novas perspectivas em cuidados paliativos: ética geriatria, gerontologia,comunicação e espiritualidade. In PESSINI, L.& BERTANCHINI, L. Bioética e longevidade humana. São Paulo, S. Camilo, Loyola, pp: 353-392.

PIMENTA, C.A.M. (1999) - Fundamentos teóricos da dor e de sua avaliação. In: CARVALHO, M.M.J. (Org.) - Dor um estudo multidisciplinar. São Paulo, Summus, p. 31-46.

PINCUS, L. (1989) – A família e a morte. Rio de Janeiro. Paz e Terra.

RANDALL, F.; Downie, R.S.; Palliative care Ethics – A Companion for all Specialists. Oxford University Press, 1999.

SAUNDERS, C. (1991) – Hospice and palliative care. An interdisciplinary approach. Londres, Edward Arnold.

SAUNDERS, C. (1993) - Prefácio - In: DOYLE, D.; HANKS, G. & MC. DONALD, N. Oxford textbook of palliative care. Oxford, Oxford University Press.

SAUNDERS, C. (1996) - A personal therapeutic journey. Brittish Medical Journal, 313:  274-275.

SAUNDERS, C. e KASTENBAUMR.;  Hospice care on the International Scene Springer. Publishing Company, Inc., 1997.

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

YALOM, I. (2008) Mirar al sol. La superacion del miedo a la muerte. Buenos Aires, Emecé.

ZAIDHAFT, S. (1990) – Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

ZIEGLER, J.(1977) -  Os vivos e a morte. Rio de Janeiro, Zahar.

Periódicos para consulta geral:

Omega: Journal of Death and Dying

Life and Threatening Behaviors Journal

Temas em Psico-Oncologia

Journal of Palliative Care.

O mundo da saúde

VASH,C. (1988) – Enfrentando a deficiência. São Paulo, Pioneira.

YALOM, I. (2008) Mirar al sol. La superacion del miedo a la muerte. Buenos Aires, Emecé.

ZAIDHAFT, S. (1990) – Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

ZIEGLER, J.(1977) -  Os vivos e a morte. Rio de Janeiro, Zahar.


PSICO-ONCOLOGIA - OBRA DE REFERÊNCIA

CARVALHO, V.A; FRANCO, M.H.P.F.; KOVÁCS, M.J.; LIBERATO, R.; MACIEIRA, R.C.; VEIT, M.T.; GOMES, M.J.B; BARROS, L.H.C. (2008) Temas em Psico-Oncologia. São Paulo, Summus

 ARNETZ, B (1983).  - Psychophisiological Effects of social understimulation. In: Old Age. Laboratory for Clinical Stress Research, Karolinska Institutde and National Institute for Psychosocial Factor in Health, Stockholm..

BALTRUSCH, H.J.F., SEIDEL, J., STAMGEL, W., WALTZ, M.E (1988). - Psychosocial stress, aging and cancer. Annals of the New York Academy of Sciences,  Vol 521.

BERNARD C.(1959) - Introdução à medicina experimental. Lisboa, Guimarães, Editores.

CARVALHO, M.M.J (Org.)(1994)- Introdução à Psiconcologia. Campinas, Editorial Psy.

CARVALHO, M.M.J. (Org.) (1998) – Psico-Oncologia no Brasil. São Paulo, Summus.

DATTORE, P.J., SCHONTZ, F. C., COYNE,L. (1988) - Premorbid personality differentiation of cancer and noncancer group: a test of the hypothesis of cancer proneness. Journal of Consulting and Clinical Psychology, 48 : 388-394.

DEGORATIS, L.R., ABELOFF, M.D.A., MELISARATOS, N. (1979) - Psychological coping mechanisms and survival time in metastatic breast cancer. JAMA, 242, :1504-1508.

FOX, B.H. (1981) - Psychosocial factor and immune system in human cancer. In: ADER, R - Psychoneuroimmunology. N.Y. Academic Press.


GREER, S., MORRIS, T. PETTINGALE, K.W (1979)- Psychological response to breast cancer: effect on outcome. The Lancet, Oct 13 :785-787.

KOVÁCS.M.J. (2016).  Psico-oncologia: definições, desafios e campos de atuação. In: KAMERS, M.; MARCON, H.H. MORETTO, M.L.T (Orgs). Desafios atuais das práticas em hospitais e nas instituições de saúde. São Paulo: Escuta, 293-312.

LOCKE, S., COLLIGAN, D.(1987) - The healer within. N.Y. New American Library.

ORTIZ, M.C. (2003). À margem do leito. A mãe e o cancer infantile. São Paulo, Arte & Ciência.

PERINA, E. & NUCCI, N. (Org). (2005). As dimensões do cuidar em psico-oncologia pediátrica. Campinas, Edit. Livro Pleno.

REDD.     W.H., JACOBSEN, P.B. (1988) - Emotions and cancer: new perspetives on an old question. Cancer, 62 :1879-1879.

SIMONTON, O.C., MATTHEWS-SIMONTON, S., CREIGHTON, J (1977). - Com a vida de novo. S.P., Summus.

Temas em Psico-Oncologia -(1996) Publicações do III Encontro e I Congresso Brasileiro de Psico-Oncologia. São Paulo, 1996.

THOMAS, P.D. GOODWIN, J.M., GOODWIN, J.S (1985). - Effect of social support on streskks, related changes in cholesterol level, uric and immune funcion in an elderly sample. Journal Psychiatry, 142 : 735-737.

PROFISSIONAIS DE SAÚDE E A MORTE

 

BENOLIEL J.Q. (1987/1988) - Health care providers and dying patients: critical issues in terminal care. Omega, Journal of Death and Dying, 18 (4): 341-363.

BOEMER, M. A morte e o morrer. São Paulo, Cortez, 1989.

CARVALHO, V.A.C. (1996) - A vida que há na morte. In: BROMBERG, M.H.P.F.; KOVÁCS, M.J.; CARVALHO, M.M.J.; CARVALHO, V.A.C. - Vida e morte: Laços da Existência. São Paulo, Casa do Psicólogo: 35-76.

CASSORLA, R.M.S. (1991) - Como lidamos com o morrer - Reflexões suscitadas no apresentar este livro. In: CASSORLA, R.M.S. (Org.) - Da morte: estudos brasileiros. Campinas, Papirus: 17-24.

CASSORLA, R.S. Da morte: estudos brasileiros. Ed. Papirus, 1991ª Principalmente o capítulo 2: o médico lidando com a morte: aspectos da relação médico-paciente terminal em cancerologia (de Terezinha Eduardes Klafke).

ESSLINGEER, I. As representações do espaço da morte no curso de Psicologia: um estudo exploratório. Dissertação de mestrado, USP, 1995.

ESSLINGER, I.; KOVÁCS, M.J.; VAICIUNAS, N. (2004). Cuidando do cuidador no contexto hospitalar. O mundo da saúde, 28 (3): 277-283.

KOVÁCS, M.J. A questão da morte e a formação do Psicólogo. Tese de doutorado. USP, 1989.

KOVÁCS, M.J. (1991) - Pensando a morte e a formação do psicólogo. In: CASSORLA, R.M.S. - Da morte: Estudos brasileiros. Campinas, Papirus.

KOVÁCS, M.J. (2003) – Educação para a morte. Desafio na formação de profissionais de saúde e educação. São Paulo, Casa do Psicólogo.

KÜBLER ROSS, E. Perguntas e respostas sobre a morte e o morrer. São Paulo, Martins Fontes. 1987.

LEVINTON, D. -  Education for Death or Death Becomes Less a Stranger. In: OMEGA, Vol. 6 (3), 1975, pg. 183-191.

MONTAIGNE, M.  De como filosofar e aprender a morrer – Em: Montaigne, Ensaios, Cap. XX, pg. 48 (Os Pensadores), vol XI, São Paulo, Ed. Abril, 1972.

SHIMIZU, H. E. (2000) - As representações sociais dos trabalhadores de enfermagem não enfermeiros (técnicos e auxiliares de enfermagem) sobre o trabalho em Unidades de Terapia Intensiva em um hospital-escola. São Paulo, Escola de Enfermagem USP. Tese de doutorado.

TAMAYO, M.R.. (1997) Relação entre a síndrome de Burnout e os valores organizacionais no pessoal de enfermagem de dois hospitais públicos. Brasília, Instituto de Psicologia da UNB. Dissertação de mestrado.

TORRES, W.C. E GUEDES.W.G (1987). - O psicólogo e a terminalidade. Arquivos Brasileiros de Psicologia. 39(2):  29038.

Omega, Journal of Death and Dying (1975) - o número completo

ZAIDHAFT, S. (1990) - Morte e formação médica. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

SUICÍDIO

ABADI, M - Em torno de la muerte. Notas psicanaliticas sobre 1 fantasia clave. In:

ABADI, M (1973). - La fascinacion de la muerte. B. A., Edit. Paidós.

ALVAREZ, A.(1971) - O deus selvagem. São Paulo, Companhia das Letras.

ALVES, R. (1991) - O morto que canta. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros. Campinas Papirus, p. 11-16.

BOTEGA NJ (2015) Crise suicida: avaliação e manejo. Porto Alegre, Artmed.

BOTEGA NJ (2018). A tristeza transforma, a depressão paralisa. Um guia para pacientes e familiares. São Paulo, Benvirá.

BYINGTON, C (1979). - Aspectos psiquiátricos do suicídio. Boletim de Psiquiatria, vol 12 (1-4), : 13-32.

CAMUS. A. - O mito de Sísifo.

CASSORLA, R. M. S (1984) - O que é suicídio. S.P., Brasiliense.

CASSORLA, R.M.S(1984). - Características de famílias de jovens que tentam suicídio em Campinas Brasil. Um estudo comparativo com jovens normais e psicóticos. Acta Psiquiátrica e Psicológica da America Latina, 30 : 125-134.

CASSORLA, R.M.S.(1991) (Org) - Do suicídio: Estudos brasileiros. Campinas, Papirus,

SAMPAIO, D. (1991) - Ninguém morre sozinho. O adolescente e o suicídio. Lisboa, Editorial Caminho.

DIAS, M.L (1991). - Suicídio. Testemunhos de adeus. S.P., Brasiliense.

DURKHEIM, E. (1971) - El suicidio. Buenos Aires, Schapire Edit.

EBERT. B.W.(1987) - Guide to conduct a psychological authopsy. Professional Psychology Research and Practice, Vol 18 (1) :52-56.

FEIJÓ, M. (1998) – Suicídio entre a razão e a loucura. São Paulo, Editorial Lemos.

FENSTERSEIFER, L.;WERLANG,B.S.G. (2006). Comportamentos auto-destrutivos. Subprodutos da modernidade?.Psicologia Argumento. P. 35-44

FRIEDRICH, S. Tentativa de suicídio na infância. Tese de Doutorado. Universidade de São Paulo, 1989.

FUKUMITSU, K.O. Suicídio e Gestalt-terapia. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2012.

______. Suicídio e Luto: histórias de filhos sobreviventes. São Paulo: Digital Publish & Print Editora, 2013.

FUKUMITSU KO (2018). Suicídio, luto e posvenção. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p 216-231

GARMA, A. - Los suicídios. In: ABADI, M. (1973) - La fascinacion de la muerte. B.A., Edit. Paidós.

GIORDANO, V. (1991) - Subsídios para a profilaxia do suicídio através da educação. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros. Campinas Papirus. P. 167-188.

GRUNSPUN, H. (1991) - Fatores suicidógenos como avaliação do risco de suicídio em adolescentes. 

GUILLON, C. e BONNIEC, Y (1984). - Suicídio, modo de usar. S.P., EMW Edit.

GUSTEIN,S.E. Suicídio de adolescentes: a perda e a reconciliação. Em WALSH,F. & MC GOLDRICK, M. Morte na família: sobrevivendo às perdas. Porto Alegre, Artmed, 1998.

JAMISON, K.R. (2002) – Quando a noite cai. Rio de Janeiro, Gryphus,

KALINA, E. & KOVADLOFF, S. (1983) - Cerimonias da destruição. Rio de Janeiro, Francisco Alves.

KASTENBAUM , R. e AISENBERG, R. (1983) - Psicologia da morte. S.P., Pioneira..

KNOBEL, M. - Sobre a morte e o morrer e o suicídio. In: CASSORLA, R.M.S. (1991) (Org.) - Suicídio: estudos brasileiros.  Campinas Papirus, p. 27-40

KOVÁCS, M.J. (1992) - Comportamentos autodestrutivos e o suicídio. In: KOVÁCS, M.J. (Org. ) - Morte e desenvolvimento humano. São Paulo, Casa do Psicólogo, p.165-187.

KOVACS, M J (2013). Revisão crítica sobre conflitos éticos envolvidos na situação de suicídio. Psicol. teor. prat.,  São Paulo ,  v. 15, n. 3, p. 69-82.

KOVÁCS, M.J. (2019). Suicídio prevenção e posvenção: análise de políticas públicas de saúde. In: Cabral, B.E.; Szymanski, L.; Moreira, M.I.B.; Schmidt, M.L.S. (Orgs.) Práticas em pesquisa e pesquisa como prática. Experimentos em Psicologia. Curitiba: Editora CRV, 197-214.

KUCZYNSKI, E. – Suicídio. In: ASSUMPÇÃO, F.B.; KUCZYINSKI,E. (2003). Tratado de Psiquiatria da infância e da adolescência.  São Paulo, Edit. Atheneu: 569-576

LAUFER, M. (Coord.). O adolescente suicida. Lisboa, Climepsi Editores, 2000.

LEVY, M. (1979) - Introdução ao estudo do suicídio. Boletim de Psiquiatria., Vol 12 (1-4) :1-12.

MARTINS, M.F. A tentativa de suicídio adolescente – da clínica às ciências sociais e humanas.  Porto, Edições Afrontamento, 1990.

MARTUCELLO, C. Suicídio: percepção e prevenção. Rio de Janeiro, Cultura médica, 1993.

MARQUETTI, F.C. (2011). O suicídio como espetáculo na metrópole. São Paulo, Editora FAP-UNIFESP.

MARQUETTI F; LEITE PMT. Intervenção na crise suicida, silenciar determinantes ou produzir sentidos. In: FUKUMITSU, KO (org.) Vida, morte e luto. Atualidades brasileiras. São Paulo, Summus, p155-165.

MELEIRO, A.; TENG, C.T.;WANG, Y.P. Suicídio – estudos fundamentais. São Paulo, Segmento Farma, 2004.

MENNINGER, K. (1965) - Eros e Thanatos. O homem contra si próprio. São Paulo, Ibrasa.

MINAYO, MCS; FIGUEIREDO,AEBF; SILVA,RM (Orgs.) (2016). Comportamento suicida de idosos. Fortaleza: UFC,  

 MIRANDA d. (0rg). (2016). Por que policiais se matam. Rio de Janeiro, Mórula Editorial

NOGUEIRA, A.M.P. Suicídio, espelho do narcisismo – um estudo teórico-clínico a partir de Freud.  Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 1997.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

POMERAUX, X. L `adolescent suicidaire. Paris, Dunod, 1996.

RIGO.K.F. (2016) Vamos começar pelo fim? São Paulo: Editora Chiado

SAMPEDRO R. (2005). Cartas ao inferno. São Paulo: Editora Planeta.

SCAVACINI K (org) (2018). Histórias de sobreviventes do suicídio. São Paulo: Instituto Vita Alere, Benjamim Editorial.

Scavacini, K. (2018). O suicídio é um problema de todos: a consciência, a competência e o diálogo na prevenção e posvenção do suicídio. Tese de doutorado. São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano. Instituto de Psicologia USP.

 SCHNEIDMAN, E. & FARBEROW, N. (1959) - Suicide and death. In: FEIFEL, H. (Edit.) - Meanings of death.  New York, Mc Graw Hill.

 SHNEIDMAN, E.S. (1993) Suicide as Psychache: A clinical approach to self-destructive behavior. London: Jason Aronson.

SOLOMON, A. (2002). O demônio do meio dia. Uma anatomia da depressão. Rio de Janeiro: Objetiva

SOUZA, E.L.A. Os eus nos textos escritos de adolescentes. Em: Adolescência entre o passado e o futuro. Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Artes e Ofícios Ed, 1997.

TEIXEIRA, C.M.F.S. Tentativa de suicídio na adolescência: dos sinais de aviso às possibilidades de prevenção. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 2003.

TORO, G.R.V; KOVÁCS, M.J. (2017). Tentativas de suicídio. Vivencias dos profissionais de saúde no Pronto Socorro. Novas Edicções Academicas.

TUBERT, S. A tentativa de suicídio como rito de iniciação. In: A morte e o imaginário na adolescência. Rio de Janeiro, Companhia de Freud, 1999.

WERLANG, B.G. & BOTTEGA, N.J. (organizadores) (2004). Comportamento suicida.. Porto Alegre, Artmed.

MIRANDA d. (0rg). (2016). Por que policiais se matam. Rio de Janeiro, Mórula Editorial

NOGUEIRA, A.M.P. Suicídio, espelho do narcisismo – um estudo teórico-clínico a partir de Freud. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 1997.

PESSINI E BARCHIFONTAINE (1994) - Problemas atuais de bioética. São Paulo, Loyola.

POMERAUX, X. L `adolescent suicidaire. Paris, Dunod, 1996.

RIGO.K.F. (2016) Vamos começar pelo fim? São Paulo: Editora Chiado

SAMPEDRO R. (2005). Cartas ao inferno. São Paulo: Editora Planeta.

SCAVACINI K (org) (2018). Histórias de sobreviventes do suicídio. São Paulo: Instituto Vita Alere, Benjamim Editorial.

SCAVACINI, K. (2018). O suicídio é um problema de todos: a consciência, a competência e o diálogo na prevenção e posvenção do suicídio. Tese de doutorado. São Paulo. Programa de Pós-Graduação em Psicologia Escolar e Desenvolvimento Humano. Instituto de Psicologia USP.

SCHNEIDMAN, E. & FARBEROW, N. (1959) - Suicide and death. In: FEIFEL, H. (Edit.) - Meanings of death. New York, Mc Graw Hill.

SHNEIDMAN, E.S. (1993) Suicide as Psychache: A clinical approach to self-destructive behavior. London: Jason Aronson.

 SOLOMON, A. (2002). O demônio do meio dia. Uma anatomia da depressão. Rio de Janeiro: Objetiva

SOUZA, E.L.A. Os eus nos textos escritos de adolescentes. Em: Adolescência entre o passado e o futuro. Associação Psicanalítica de Porto Alegre. Artes e Ofícios Ed, 1997.

TEIXEIRA, C.M.F.S. Tentativa de suicídio na adolescência: dos sinais de aviso às possibilidades de prevenção. Tese de Doutorado. Universidade de Brasília, 2003.

TORO, G.R.V; KOVÁCS, M.J. (2017). Tentativas de suicídio. Vivencias dos profissionais de saúde no Pronto Socorro. Novas Edicções Academicas.

TUBERT, S. A tentativa de suicídio como rito de iniciação. In: A morte e o imaginário na adolescência. Rio de Janeiro, Companhia de Freud, 1999.

WERLANG, B.G. & BOTTEGA, N.J. (organizadores) (2004). Comportamento suicida.. Porto Alegre, Artmed.

LIVROS SOBRE MORTE – VÁRIOS TEMAS

INCONTRI, D. & SANTOS, F.S. (2007). (Orgs). A arte de morrer. visões plurais. São Paulo, Comenius.